Google Plus
Instagram

Colégio Joana D'arc

Referência na formação de vencedores.

Fazendo e Aprendendo

JOANA D’ARC NO  INTERESCOLAR  DE  CUBO  MÁGICO  2013

O cubo mágico foi inventado em 1974 por Ernő Rubik, professor húngaro de arquitetura. No início da década de 1980 aconteceram campeonatos nacionais em vários países, e um mundial em Budapeste em 1982. No fim da década de 1990, algumas pessoas retomaram a brincadeira graças à internet, que possibilitou contato entre os entusiastas. Em 2003 foi realizada a primeira competição após 21 anos, o segundo campeonato mundial, em Toronto, Canadá.

Com a criação da Associação Mundial do Cubo mágico (World Cube Association – WCA), as competições tornaram-se mais frequentes em todo o mundo e em dezembro de 2007 aconteceu a primeira competição do gênero no Brasil. Até o final de 2012 foram realizados 26 campeonatos oficiais no Brasil, somando um total de mais de 600 competidores brasileiros até então. Recentemente o cubo mágico tem entrado em várias escolas e uma competição interescolar pode estimular ainda mais a presença desse brinquedo no ambiente escolar.

Inspirado no campeonato escolar da França, onde a atividade reúne mais de 200 escolas por todo o país, São Paulo sediou a primeira competição do gênero no Brasil, o 1º Campeonato Interescolar de Cubo Mágico de São Paulo. O campeonato aconteceu no último sábado, dia 14 de setembro de 2013, no  Colégio Rainha da Paz. Paticiparam 14  Colégios do Estado de São Paulo.

O “Joana” levou sua equipe composta pelos alunos: Fernando Valls Yoshida (7º A), Lucas Kioshi Matsuda (Capitão da equipe) (8ºA), Gabriel Almeida Jackimov Moraes (7º A),  Allan Tresano Lucas (6ºA), Henry Tresano Lucas (3ºA fund I), Gabriel Canato( 7ºA), Pedro Kenji Mortari (7ºA) , João Pedro Cirelli Bertuletti (8º A) e Gustavo Machado dos Santos (7º B).

 

Confira a participação dos alunos:

 




Mundial de Judô 2013


O Mundial de Judô 2013 foi realizado na cidade do Rio de Janeiro, no período de 26 de agosto a 1º de setembro. Contou com a participação recorde em países e atletas, da qual constava a categoria de peso com mais de 80 atletas.

Essa foi a melhor participação do Brasil de todos os tempos, apesar do baixo desempenho da equipe masculina, que só teve a prata do atleta Rafael Silva, na categoria de + de 100kg, em que conseguimos 7 medalhas no total. Um recorde!

É muito emocionante poder estar ali, do lado dos atletas; poder torcer e ver tudo de muito perto, pois, no Brasil, quase não se  fazem competições desse nível. O último mundial individual, em nosso país, foi há 6 anos.

Foi um fim de semana longo e cansativo. Chegávamos por volta das 9h3 e ficávamos até as finais. Apesar de tudo, muito gratificante, porque pudemos ver, de perto, a primeira medalha de ouro feminina de todos os tempos (do Brasil) e  o fenômeno Ted Rinner, de apenas 25 anos de idade e 6 vezes campeão mundial, dentre outros tantos. Foi uma competição que nos trouxe um grande aprendizado. Assim, aos poucos, tentarei passar essa experiência para meus alunos.

Prof. Edgar Lucke – Professor de Judô do Colégio Joana D’Arc




Projeto de Iniciação Científica estimula raciocínio lógico!!!

 

A aluna Carolina Kasuga, do terceiro ano do Ensino Médio, participa, pelo segundo ano consecutivo, do projeto de Iniciação Científica que o Colégio Joana D’Arc mantém, em parceria com o professor André Fujita, no Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP).

 

Carolina Kasuga

 

Através desse projeto, a aluna passou a ampliar seus conhecimentos na área de computação, através do aprendizado de linguagens de programação, que hoje são essenciais a várias áreas de produção científica, como, por exemplo, a de biotecnologia, que é um dos focos da Iniciação Científica do IME-USP. 

 

 

 


Alunos do Joana D'Arc na iniciação científica do IME-USP

 Os alunos Heron Farhat, Débora Atanes e Lucas Crisafulli participarão farão Iniciação Científica em Programação


A iniciação científica é uma modalidade de pesquisa acadêmica desenvolvida por alunos do ensino médio ou graduação em diversas áreas do conhecimento. Em geral, é nesta fase que o estudante tem o primeiro contato com a prática na pesquisa acadêmica, desenvolvendo diversas habilidades como: sistematização de ideias, síntese de observações ou experiências, elaboração de relatórios, análise e crítica aos resultados obtidos etc.

No projeto de iniciação científica dos alunos do Colégio Joana D’Arc, que será desenvolvido no Departamento de Ciência da Computação do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo, com a orientação do Prof. André Fujita, os estudantes terão o primeiro contato com a pesquisa na área de Bioinformática (área da Ciência que requer conhecimentos de Biologia Molecular, Bioquímica, Ciência da Computação, Matemática e Estatística).

Como primeiro passo, aprenderão a usar sistema operacional Linux, que é mais e mais utilizado nas grandes empreas, servidores e supercomputadores, por ser um sistema gratuito, de código aberto, estável e seguro. Logo em seguida, aprenderão os primeiros passos na programação de software utilizando a linguagem de programação Pynthon. Eles construirão programas computacionais para o cálculo numérico de funções matemáticas como funções trigonométricas, logaritmo etc. Após essa fase inicial de aprendizado em programação, os alunos iniciarão o estudo de técnicas de Biologia Molecular e Biologia Computacional para desenvolver software de análise de dados biológicos.

Com o desenvolvimento desse projeto, espera-se que os alunos possam desenvolver habilidades acadêmicas já descritas no primeiro parágrafo como também contribuir, no futuro, para o avanço da Ciência no campo da Biologia Computacional.

 

Por André Fujita

Professor Doutor

Departamento de Ciência da Computação

Instituto de Matemática e Estatística

Universidade de São Paulo

 


Foguete com garrafa

Com criatividade os alunos construíram foguetes com garrafas pet.
O lançamento foi um sucesso!
É assim que os alunos do Joana D’Arc  trabalham, na prática o conhecimento científico.